Salar de Uyuni – Dicas

Hoje vamos conversar um pouco mais sobre esse lugar incrível, e dar algumas dicas, para que sua experiência seja completa e emocionante!!

Olá Travellers! Como vocês estão??

Aquela coceirinha de viajar tá pegando ou estão tranquilos ainda?

Nesse post eu venho falar com vocês sobre as dicas do Salar de Uyuni, que como já dissemos anteriormente, não se trata apenas de uma ida ao próprio Salar, mas sim abrange outros passeios e lugares incríveis, com paisagens de tirar o fôlego!!!

E sem mais delongas, vamos as dicas!!!

1 – Roupas e Clima

Como vimos, a região do Salar de Uyuni é muito fria, e mesmo em dias mais quentes, os casacos são imprescindíveis, pois o dia começa gelado, esquenta por volta da hora do almoço, e de noite as temperaturas despencam novamente. Dessa forma, o melhor é usar sempre segunda pele, e se vestir no “efeito cebola” ou em camadas, conforme a temperatura variar, os casacos também variam.

Sobre calçados, uma dúvida frequente é se é necessário levar calçados para trekking, e a resposta é: não.

Devido a altitude, não podemos nos puxar muito, para não passarmos mal, então as caminhadas são pequenas e dá pra fazer perfeitamente com seu tênis normal e confortável, que você já usa para caminhar e/ou prática de exercícios.

2- Hotel de Sal

Dizem que para ter uma experiência completa, na viagem ao Salar de Uyuni, é preciso passar pelo menos 1 dia hospedado no hotel de sal…

O hotel é construído com blocos de sal, extraídos do próprio salar, e foi o primeiro hotel do mundo a conseguir tal feito.

Categoria 5 estrelas, o hotel é um dos únicos lugares em que o Wi-Fi pega perfeitamente.Para muitos, é o lugar ideal para postar as fotos que fizeram durante a viagem.

3- Laguna Colorada

A Laguna é uma parada obrigatória para os viajantes…

O lugar de beleza absoluta, abriga uma comunidade enorme de flamingos de várias espécies.

A cor avermelhada das águas é proveniente dos sedimentos e algas da região.

O lago salgado fica a uma altitude de 4.278 metros e possui 1,5 metros de profundidade máxima.

4- Laguna Verde

Dentre tantos lagos que habitam a região, a Laguna Verde se destaca pela sua coloração esverdeada, que beira a coloração das águas do Caribe.

Um verdadeiro paraíso em meio a paisagem desértica do Atacama.

A Laguna encontra-se a uma altitude de 4.350 metros e também possui águas salgadas.

5- Termas de Polques

As águas termais que ficam no meio do deserto, conhecidas como termas de polques.

Com a temperatura entre 30°C e 38°C, as águas tem propriedades curativas, e podem aliviar dores de artrite e reumatismos.

Encarar a entrada nas piscinas termais é que são elas, pois o frio fora pode ser de 8°C, mas vale a pena ficar uns minutinhos por lá e curtir a vista incrível que se tem das montanhas.

O valor para entrar nas piscinas é de $6 bolivianos, cerca de R$4,70.

6- Cemitério de Trens

O grande terreno com trens abandonados, é fruto de uma luta constante entre os índios Aymaras e os governantes bolivianos, que queriam expandir as ferrovias, porém não obtiveram sucesso naquela região.

Então, no final do século XIX e início do século XX, a luta cessou, e a construção da ferrovia foi abandonada, junto com os trilhos e também os trens.

Existem muitas lendas sobre o lugar, e até hoje é considerado um ponto místico do passeio.

7- Altitude

O mal de altitude é muito comum em viagens como essa, pois devemos ter em mente que nosso corpo está aclimatado com altitudes médias 1.500m no Brasil, e chegando nesses passeios, quase que quadruplicamos essas altitudes, causando desconforto ao corpo e por vezes mal-estar.

Para começar, é bom ter sempre o seu kit médico pessoal em mãos, com seus remédios de náusea e dor de cabeça a postos, e uma dica de medicamento para “soroche”, o mal de altitude como é chamado nos Andes, é o Sorojchi pills que é encontrado aqui mesmo no Brasil, e ajuda o seu corpo a se aclimatar com antecedência aos passeios.

Outra dica é não comer comidas pesadas, e estar sempre hidratado, com pelo menos 2L de água por dia.

Durante a viagem, as agências oferecem chá de folha de coca, e até mesmo a própria folha de coca para mastigação, o que ajuda muito no mal-estar causado pela ambientação do corpo à altitude exposta.

E sempre prefira começar com os passeios “mais baixos”, pois começar num passeio de 3.500m é melhor do partir direto para um de 4.250m, e desse modo seu corpo vai se adaptando, então dê ouvidos ao seu corpo para que você não perca algum passeio importante por conta do soroche.

8- Banho

 Se você procura chegar dos passeios à noite, e tomar um banho relaxante e quentinho, sinto em ter que te decepcionar…

A grande maioria das hospedagens possuem água quente apenas durante o dia, por volta das 7h00 da manhã, e no resto do dia, a água vai gelando naturalmente, pois as caldeiras são desligadas, e a água na parte da noite é literalmente congelante, então a dica é: tome um belo banho quente antes de sair para os passeios e leve muito lenço umedecido para higiene pessoal e limpeza de objetos, isso vai te salvar!

Em alguns hotéis o uso do banheiro é livre, porém o banho é pago, seja ele ducha fria ou ducha quente, o valor cobrada geralmente é de $15 bolivianos, cerca de R$9,00.

Outra dica é, se você não consegue usar o “banheiro inca”, moitas e afins, separe um dinheiro para pagar para usar banheiro durante as paradas, cada ida custa $5 bolivianos, cerca de R$3,00.

9- Comida e Água

Uma coisa muito importante, é falarmos sobre a comida, pois na maioria das vezes, durante a travessia, deixa muito a desejar, então é muito importante que você leve lanches secos e não perecíveis para seu consumo pessoal.

Se você ver que algo está cru, ou a aparência não está muito agradável, não coma.

Sobre a água, é necessário levar no mínimo um galão de 6L de água para que o seu consumo seja pessoal e seguro.

Não tome água de torneiras e não tome de algum copo que está por aí, é pedir pra passar mal na certa, então, mantenha sempre seu abastecimento pessoal em ordem e seguro.



10- Documentos necessários

O único documento obrigatório é o RG do modelo novo ou com no máximo 10 anos de emissão, caso queira embarcar com o passaporte ajuda nas fronteiras, pois os trâmites são mais rápidos. CNH não é aceito como documento válido.

Sobre os documentos e tarjetas entregues durante a viagem, mantenha sempre em sua bolsa pessoal e longe da umidade, pois papéis como PDI e tarjeta boliviana, terão que ser entregues na volta da expedição e em boas condições para que você seja liberado, o papel da entrada do parque, também é necessário que seja guardado para a entrega na volta.

O valor para a entrada no parque é de $150 bolivianos, cerca de R$82,00.

E aí Travellers? Gostaram dessas dicas??

E claro, lembre-se sempre de aproveitar a viagem!!!

Logo mais voltamos com mais conteúdos sobre Uyuni, deixe nos comentários o que acharam e as dúvidas.

Grande Abraço!